A DIVINA AMBIÇÃO

"O mês de novembro de 1895 é um período importante na história da minha vida e de minha compreensão do possível desenvolvimento do meu futuro... Foi neste mês que os sinais de minha transformação corporal em mulher se tornaram tão claros que não me foi mais possível ignorar o objetivo instrínseco para o qual todo o processo se voltava. O milagre estava tão próximo de sua conclusão que, durante as noites imediatamente anteriores, meu pênis poderia ter se retraído completamente (para o abdômem) se não tivesse lutado contra isto de acordo com o meu sentido de honra masculina. Seja como for, a volúpia da alma tinha se tornado tão forte que passei a aceitar a configuração de um corpo feminino - inicialmente em meus braços e mãos e, mais tarde, nas pernas, mamas, nádegas e outras partes..."

Daniel Paul Schreber, Memoirs, 1903

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Maria Helena, a grotesca (dublado)

No último dia 16 de setembro, no Teatro 171, um corpo desembesta no Rolê do 18º Festival Cenas Curtas, realizado pelo Galpão Cine Horto. 
                        
Foto: Gabrieu Algusto

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Adivinha, a Diva tem cu!

"O ânus está rodeado de alguns músculos denominados esfíncteres; suas raízes etimológicas provêm da palavra grega sphinx, que compartilha sua origem com esfinge, criatura de origem mitológica que guarda mistérios e enigmas". Do livro "Pelo cu: Políticas anais" de Javier Saez e Sejo Carrascosa. Cadeiras, na 1å Edição Festival Livro na Rua. obsCENA agrupamento independente de pesquisa cênica. Foto: Juliana Martins.


terça-feira, 25 de julho de 2017

Ontem, no Perpendicular Invisível. O corpo desembestado de AdivinhaaDiva, na Praça da Liberdade.




Fotos: Emanuel Joel

Foto: Eli Neira

Foto: Marcelo Gandhi

Foto: Jessica Hirst

sábado, 15 de julho de 2017

Mostra Redemoinhos e outras tormentas. Curadoria Marcos Hill

Foto: Verônica Pimenta




Fotos: Val Armanelli


Fotos: Marconi Marques

sexta-feira, 28 de abril de 2017

O corpo desembestado de AdivinhaaDiva, no evento "Durante - Minifestival de Performance", realizado no Idea Espaço Cultural, em BH, 27.04.2017

Zeus ciborgue queer. Um rasgo real na superfície da vida. O mundo das aparências e o mundo do desastre, do desarranjo. Afogando-me, eu me desafogo. Teria visto mais do que devia?

Foto: Francesco Napoli

domingo, 23 de abril de 2017

O corpo desembestado de AdivinhaaDiva, Sesc Palladium, 21 de abril de 2017, via Obscena agrupamento

Desastre, furacão nada sutil. Rápido demais. Desajeitado e desajeitoso. Barbárie e delicadeza, ainda que. Bixa Loka. Raposa afogada. Desbunde. Lixeira. Amo muito tudo isso.

Foto: Marina Seif

Foto: Clarissa Alcantara

Foto: Clarissa Alcantara
Foto: Clarissa Alcantara
Foto: Clarissa Alcantara
Foto: Clarissa Alcantara
Foto: Clarissa Alcantara

Clarissa escreveu na página de seu facebook: "Raposa destemida, corpo desmedido", e Sabrina Silva escreveu o seguinte texto (de presente para mim) com uma imagem capturada por ela:

Diva. Adivinha?
Anda impecável sobre os saltos.
E se emoldura sempre ao avesso.
Aos poucos, deixa cair o glamour do seu vestido
(tilinta no chão)
Enquanto fura os próprios olhos
(depois os come)
Há quem nem se dê conta
Quando dá, assusta
Tem uma coisa muito estranha na vida dela.

Sabrina Silva

SOU

Minha foto
Sou homem, sou mulher, sou Diva