A DIVINA AMBIÇÃO

"O mês de novembro de 1895 é um período importante na história da minha vida e de minha compreensão do possível desenvolvimento do meu futuro... Foi neste mês que os sinais de minha transformação corporal em mulher se tornaram tão claros que não me foi mais possível ignorar o objetivo instrínseco para o qual todo o processo se voltava. O milagre estava tão próximo de sua conclusão que, durante as noites imediatamente anteriores, meu pênis poderia ter se retraído completamente (para o abdômem) se não tivesse lutado contra isto de acordo com o meu sentido de honra masculina. Seja como for, a volúpia da alma tinha se tornado tão forte que passei a aceitar a configuração de um corpo feminino - inicialmente em meus braços e mãos e, mais tarde, nas pernas, mamas, nádegas e outras partes..."

Daniel Paul Schreber, Memoirs, 1903

sexta-feira, 28 de abril de 2017

O corpo desembestado de AdivinhaaDiva, no evento "Durante - Minifestival de Performance", realizado no Idea Espaço Cultural, em BH, 27.04.2017

Zeus ciborgue queer. Um rasgo real na superfície da vida. O mundo das aparências e o mundo do desastre, do desarranjo. Afogando-me, eu me desafogo. Teria visto mais do que devia?

Foto: Francesco Napoli

domingo, 23 de abril de 2017

O corpo desembestado de AdivinhaaDiva, Sesc Palladium, 21 de abril de 2017, via Obscena agrupamento

Desastre, furacão nada sutil. Rápido demais. Desajeitado e desajeitoso. Barbárie e delicadeza, ainda que. Bixa Loka. Raposa afogada. Desbunde. Lixeira. Amo muito tudo isso.

Foto: Marina Seif

Foto: Clarissa Alcantara

Foto: Clarissa Alcantara
Foto: Clarissa Alcantara
Foto: Clarissa Alcantara
Foto: Clarissa Alcantara
Foto: Clarissa Alcantara

Clarissa escreveu na página de seu facebook: "Raposa destemida, corpo desmedido", e Sabrina Silva escreveu o seguinte texto (de presente para mim) com uma imagem capturada por ela:

Diva. Adivinha?
Anda impecável sobre os saltos.
E se emoldura sempre ao avesso.
Aos poucos, deixa cair o glamour do seu vestido
(tilinta no chão)
Enquanto fura os próprios olhos
(depois os come)
Há quem nem se dê conta
Quando dá, assusta
Tem uma coisa muito estranha na vida dela.

Sabrina Silva

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

O corpo desembestado da engaiolada de sorriso preso, ação realizada na IX Semana de Artes da UFOP, dia 26 de setembro, no Largo do cinema de Ouro Preto/MG

Foto: Gabriel Conbê

Foto: Maria Laura Reis

Foto: Gabriel Conbê

Foto: Gabriel Conbê

Foto: Gabriel Conbê

Foto: Maria Laura Reis

Foto: Gabriel Conbê

Foto: Franciele Laura


Foto: Gabriel Conbê

Foto: Gabriel Conbê

Foto: Gabriel Conbê

Foto: Gabriel Conbê

Foto: Gabriel Conbê

Foto: Gabriel Conbê

Foto: Emerson Pereira

Foto: Bárbara Buzatti

Foto: Gabriel Conbê

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Foi no dia 16 de setembro, na virada de sexta para sábado, na Gruta! Casa De Passagem. Rolê com "O corpo desembestado de AdivinhaaDiva". Sonoplastia: Frederico Caiafa #FestivalCenasCurtas #QueLugarVocêOcupa #GalpãoCineHorto

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Gabriel Augusto

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

Foto: Eustaquio Silva

SOU

Minha foto
Sou homem, sou mulher, sou Diva